Você tem responsabilidade para dar um pet de Dia das Crianças?

Dara
Dara, cachorra dócil disponível para adoção.

Esta semana muitos adultos estão preocupados em comprar o presente para o Dia das Crianças, comemorado no próximo domingo, 12 de outubro. Há alguns que acham inovador e “fofinho” dar um pet, sem pensar na responsabilidade necessária para se manter um animal de estimação.

Pesquisando sobre o assunto, encontramos uma matéria interessante sobre o assunto feita pelo “Ribeirão Preto online” e decidimos dividi-la com os leitores do Pauta por conter o que queríamos expor. Confira abaixo!

Eles são fofos e podem ser uma opção interessante para o dia 12 de outubro. Mas, presentear as crianças com um animal de estimação, comprando ou adotando, exige pesquisa e bom senso. Embora um bichinho de estimação seja interessante para qualquer criança, é importante avaliar quem cuidará realmente do animal; nem sempre os pequenos têm maturidade suficiente para isso.

Bianca, filha de Renata Samer, presidente da ONG Ser Luz.
Bianca, filha de Renata Samer, presidente da ONG Ser Luz.

“Crianças pequenas demais, às vezes, ainda não têm noção do que é brincadeira. Com os filhotes são mais frágeis, todo cuidado é necessário para evitar que se machuquem. Com supervisão de um adulto, porém, ter um pet em casa é uma ótima forma de ensinar limites, respeito à vida, cuidado e solidariedades aos pequenos”, argumenta a veterinária Giulliana Tessari.

Abaixo seguem algumas ponderações que devem ser feitas antes de se levar um bichinho pra casa:

Júnia
Júnia, cadela idosa disponível à adoção. Dê a ela a chance de conhecer o amor antes de morrer.

Dica 1 – Cães e gatos vão viver com a pessoa por cerca de 16 anos. Trata-se de um novo membro da família, um compromisso para uma vida.

Dica 2 – Os cães são ativos, requerem passeios diários e não gostam de ficar muito tempo sozinhos, será que a pessoa terá tempo para ficar ou passear com o bichinho?

Dica 3 – Os gatos se adaptam melhor as horas em que os donos estão fora de casa, porque dormem mais de 10 horas por dia. Por outro lado, também precisam de atenção e cuidados.

Dica 4 – A decisão de ter cães e gatos envolve mais gastos em casa, sejam eles com a saúde ou o bem-estar do animal. Os pets necessitaram de visitas anuais ao veterinário ou em casos de emergência, carteira de vacinação em dia, uma boa ração, além de banho e tosa.

Dica 5 – Cães e gatos são sociáveis e precisam de carinho, afeto e de simples horas de brincadeiras com seus donos. Eles também estarão em casa quando as pessoas precisam viajar. Será que haverá dinheiro no orçamento para um hotelzinho ou um conhecido que goste e tope cuidar deles enquanto o dono estiver longe?

Dica 6 – Será que o futuro dono e seus familiares moram num lugar que aceita animais? Há espaço para esse bichinho viver com o mínimo de conforto? Alguém é alérgico à pelagem? Os vizinhos não se importarão com os latidos?

Dica 7 – No início, quando ainda são filhotes, os cães precisam de adestramento e paciência do dono para aprender a urinar e defecar no lugar certo, quem fará isso? Eles são lindos, parecem bichos de pelúcia, mas crescem e podem ficar maiores do que o esperado.

Dica 8 – Quem tem cães e gatos sabe que não é possível se estressar com arranhões ou manchas nos móveis. Além disso, são necessárias adaptações na decoração de casa, como incluir arranhadores pelos cômodos para os gatos não recorrerem ao sofá ou a cortina, grades nas janelas para controlar quedas e chão apropriado de acordo com o Porte do bichinho, por exemplo.

Dica 9 – Os cães de pequeno porte se adaptam melhor em lugares mais compactos. Já os de maior porte, embora até possam se adaptar a apartamentos mais amplos, se dão melhor em casas.

Para o Pauta Diária, caso, analisando as dicas, você continuar na certeza de que um pet é a melhor opção, não esqueça: ADOTE. NÃO COMPRE. Visite a ONG Ser Luz/Protetores Independentes, e dê a chance a um cão adulto mudar a sua família enchendo seu lar de alegria, amor e muita, mais muita gratidão. Seu filho irá adorar saber que está mudando a história triste de um cãozinho dando a ele um novo começo, o fazendo feliz. Por Carla Félix/ Pauta Diária;Ribeira Preto online