Suspeitos de participação em morte de vaqueiro se entregam à polícia

O filho e o sobrinho do principal suspeito de cometer o atentado à família do vaqueiro, que morreu na zona rural de Alcobaça, no sul da Bahia, se apresentaram na tarde desta terça-feira (5) na delegacia da cidade. Eles disseram em depoimento que participaram da morte do vaqueiro por legítima defesa.. O principal suspeito é o dono da fazenda onde a vítima trabalhava.Acusado

De acordo com informações da polícia, um grupo invadiu a casa da família do vaqueiro, que fica na fazenda do suspeito, no dia 29 de julho. Eles mataram o vaqueiro, atiraram e golpearam a mulher dele com uma faca e levaram os dois filhos do casal em um carro. A mulher sobreviveu ao se fingir de morta, fugir do carro onde foi colocada e se esconder em um matagal.

Ainda segundo informações da polícia, o filho do proprietário da fazenda tem 19 anos, e o sobrinho 16.

“Eles disseram que foram ter uma conversa com o rapaz [vaqueiro], ele se exaltou e apontou uma arma para eles. Aí eles disseram que tentaram tirar a arma da mão do homem, e quando a mulher viu a briga corporal do marido com eles, ela pegou uma faca”, contou um investigador da polícia.

O filho do proprietário, que é estudante de direito, é suspeito de ter dado uma facada no vaqueiro. Já o primo dele, de ser autor do disparo nas duas vítimas. Ambos falaram em seus depoimentos que as armas usadas por eles eram do vaqueiro e da esposa. Eles foram à delegacia por espontânea vontade e acompanhados de um advogado.

Já o dono da fazenda e a esposa dele continuam foragidos. Os jovens prestaram depoimento e foram liberados porque não houve flagrante e não havia mandado de prisão em aberto contra eles.

Vítima

Irineuza Costa, a mulher que se fingiu de morta para escapar de um atentado na zona rural de Alcobaça, no sul da Bahia, deixou a cidade na última sexta-feira (1º). As informações foram de Dalila Seif, conselheira tutelar da cidade do sul do estado.

De acordo com Seif, os dois filhos do casal, que presenciaram o crime, estavam sob tutela do conselho, mas após a chegada de uma irmã da vítima, do Espírito Santo, na quinta-feira (31), as crianças foram entregues à tia. No mesmo dia, Irineuza recebeu alta do Hospital Municipal de Teixeira de Freitas, também no sul da Bahia, e se encontrou com os filhos.

Ainda segundo a conselheira tutelar, a decisão de fazer a mudança para o Espírito Santo foi da mulher. “A família dela está toda lá, agora ela não tem mais o marido, então decidiu ir”, explica. Contudo, Seif não informou o nome da cidade onde Irineuza vai morar por questões de segurança, mas acrescentou que o enterro do marido dela foi realizado no Espírito Santo.

No final da tarde de quinta-feira, a delegada interina de Alcobaça, Rosângela Santos, informou ao G1 que a Justiça decretou as prisões do dono da fazenda onde o marido de Irineuza trabalhava como vaqueiro, além da esposa dele, ambos suspeitos no crime. Além das agressões, os autores ainda sequestraram os dois filhos do casal, que foram deixados em um abrigo em Teixeira de Freitas.

Segundo a delegada, a ordem judicial ainda expede o direito de busca e apreensão em posses do fazendeiro em Alcobaça, como também em municípios vizinhos. O principal suspeito do crime e a esposa ainda estão foragidos.

Crime

Achando que ela e o marido estavam mortos, Irineuza narra que eles foram colocados pelos suspeitos dentro da carroceria de um carro junto com os dois filhos, que não foram feridos no atentado. No caminho, ela detalha que pulou do veículo em movimento.

Segundo relato da vítima, o suspeito teria cometido o crime por causa de dívidas trabalhistas. Ela diz que o dono da fazenda não teria pago os serviços prestados pelo marido dela.

Ainda internada no hospital de Alcobaça, Irineuza relatou como sobreviveu. “Como eu estava lúcida, com a parte do corpo para baixo, eu achei que tinha essa possibilidade de escapar, e foi o que eu fiz. Tentei e consegui”, afirma. “Perdi meu marido. Vou cuidar dos meus filhos, que agora só têm a mim, não têm mais pai. Só têm a mim, que sou a mãe. E o resto só Deus”, diz emocionada.

De acordo com a polícia, a primeira vítima do atentado foi o vaqueiro que, após ter sido atingido por golpes de faca, foi morto a tiros pelo suspeito. Em seguida, Irineuza foi esfaqueada e alvejada mas, ao se fingir de morta, conseguiu enganar o suspeito.

A mulher relatou que após pular da caminhonete, se escondeu em um matagal e, em seguida, pediu socorro a moradores da região. Fonte: G1