Serial killer de Goiânia diz que matava mulheres para “aliviar sofrimento”

Crédito: Reprodução/Internet. Serial Killer.Mais de dois meses depois de criar uma força-tarefa para tentar desvendar, inicialmente, o assassinato de 15 mulheres em Goiânia, a Polícia Civil conseguiu prender, na terça-feira, o suspeito de praticar os homicídios em série. A Secretaria de Segurança Pública de Goiás comunicou ontem que o vigilante Thiago Henrique Gomes da Rocha, 26 anos, confessou ter matado 39 pessoas. Na lista de possíveis vítimas, estariam oito mulheres cujas mortes eram investigadas pela força-tarefa.

O vigilante teria dito, em depoimento, que foi responsável pela morte de Ana Lídia de Souza, Bruna Gleycielle de Sousa Gonçalves, Janaína Nicácio de Souza, Lilian Sissi Mesquita e Silva, Ana Maria Victor Duarte, Isadora Aparecida Cândida dos Reis, Juliana Neubia Dias e Wanessa Oliveira Felipe. O mandado de prisão provisória foi expedido pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara. A cúpula da Segurança Pública do Estado de Goiás ainda não apresentou provas técnicas contra Thiago. Afirmou que, neste momento, poderia atrapalhar as investigações que ainda estão em curso.

Em uma rede social, o governador Marconi Perillo (PSDB), que tenta a reeleição, comemorou a prisão. “Nunca tive dúvida de que a investigação iria esclarecer estes crimes que afrontaram a tranquilidade e a integridade das famílias goianas”, postou. Em seguida, ele fez um elogio aos policiais envolvidos. “Sempre disse que nossa polícia é boa e eficiente e que iria chegar aos criminosos”, afirmou.

vitimas
Algumas das vítimas.

Ontem pela manhã, o suspeito foi submetido a exames de praxe no Instituto Médico legal (IML) e, logo depois, encaminhado para a Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH). O vigilante, que morava com a mãe, responde a processo judicial por ter furtado placas de motocicletas em um supermercado de Goiânia, no início do ano passado. Ao ser preso, ele teria dito que se sentia angustiado e cometia os crimes para aliviar o sofrimento. Imagens gravadas por um sistema de câmeras de vídeo de uma lanchonete ajudaram a polícia a identificar o suposto serial killer. Contratado por uma empresa privada de vigilância, Thiago trabalhava no Hospital Materno-Infantil, unidade pública do Estado, gerido pela organização social Instituto de Gestão Humanizada (IGH).

Inicialmente, a Polícia Civil de Goiás havia informado que a linha de investigação não apontava para um único assassino. No entanto, ontem pela manhã, o delegado-geral João Gorksi afirmou que os indícios apontam para um maníaco. “Eu acredito que é um serial killer. No começo, ele matava aleatoriamente, no fim, estabeleceu um padrão”, afirmou. Os outros assassinatos cometidos por Thiago teriam vitimado moradores de rua e homossexuais.

Linha de apuração

Em agosto, fontes da cúpula da Secretaria de Segurança Pública chegaram a informar que, do total de mulheres assassinadas, em circunstâncias aparentemente semelhantes, oito delas teriam sido mortas por criminosos diferentes. A motivação desses casos, segundo informações em reserva, seria acerto de contas ou crime passional. Dois suspeitos foram presos. Um deles, cuja identidade não foi revelada, acabou capturado em agosto na cidade de São Luís de Montes Belos, distante 120km da capital. O outro é o entregador Leandro Cardoso de Oliveira. Ele teve a prisão preventiva decretada pelo envolvimento em uma tentativa de homicídio de uma jovem de 18 anos, no Setor Jardim América, em Goiânia.

Da lista investigada pela Polícia Civil, a primeira vítima foi Bárbara Luiza Ribeiro Costa, 14 anos, assassinada em 18 de janeiro, no Setor Lorena Park. No caso mais recente, o criminoso tirou a vida de Ana Lídia Gomes, 14 anos, morta em um ponto de ônibus no Setor Conjunto Morada Nova, em 2 de agosto. Fonte: João Valadares/Correio Brasiliense