Protesto contra aumento de ônibus tem depredação, bombas e 32 detidos em SP

protesto-passe-livre-sao-pauloA manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público na capital paulista se dispersou por volta das 19h30, em razão da depredação de agências bancárias e da reação da Polícia Militar (PM), que atirou bombas de gás lacrimogênio. Houve correria dos manifestantes e a marcha se dividiu em várias passeatas menores.

O protesto estava concentrado na Rua da Consolação, nas proximidades da Avenida Paulista, quando um grupo de mascarados passou a caminhar na contramão da via, em meio aos carros que transitavam no sentido contrário. A polícia interveio e houve confronto.

Leia também no Portal:

Aumento das tarifas: mapa mostra valor da passagem de ônibus nas capitais

Manifestantes saem em passeata no Rio contra aumento dos ônibus

Agências bancárias foram depredadas, lixeiras incendiadas e pedras atiradas nos carros da polícia. Os policiais reagiram com bombas de gás lacrimogênio. A PM confirmou que, até o momento, deteve 32 pessoas, que foram encaminhados para o 78º Delegacia de Polícia, no bairro dos Jardins.

Houve confrontos entre polícia e manifestantes mascarados na Rua da Consolação e na Avenida Angélica, também nas proximidades da Avenida Paulista. Segundo a PM, há focos de incêndio na Rua Haddock Lobo e na Avenida Angélica. As estações de metrô Trianon Masp e Consolação, ambas na Avenida Paulista, estão fechadas.

O Movimento Passe Livre (MPL) e simpatizantes da causa voltaram hoje (9) às ruas de São Paulo para protestar contra o aumento da tarifa nos transportes (metrô, trem e ônibus), de R$ 3 para R$ 3,50. O reajuste passou a vigorar na última terça-feira (6). Os manifestantes se reuniram no Theatro Municipal e saíram às 18h15 em passeata com destino à Praça do Ciclista.

De acordo com a PM, duas mil pessoas participaram do ato. Aproximadamente 800 policiais foram destacados para acompanhar a manifestação. Viaturas da Tropa de Choque foram vistas em deslocamento pela Avenida Angélica.

Em junho de 2013, diversas manifestações tomaram conta da cidade, por causa do anúncio de aumento das passagens de R$ 3 para R$ 3,20. A reação da população teve sucesso e o valor da passagem voltou a R$ 3.