Um inquérito policial já aponta um suspeito para a morte dos dois delegados da Polícia Federal, na madrugada desta quarta-feira (31), em Florianópolis. O terceiro homem baleado na briga é apontado como autor dos disparos que mataram Elias Escobar e Adriano Antonio Soares, que investigava a morte do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki.

O suspeito, cujo nome não informado, é dono de um trailer de cachorro quente. Titular da Delegacia de Homicídios da capital e responsável pelo caso, Ênio de Matos, contou ao G1 que ele ainda não foi ouvido porque estava passando por cirurgia.

A polícia sabe, no entanto, que a discussão ocorreu em um corredor que dava acesso aos quartos, na boate em que os delegados estavam e que seria também um bordel. O suspeito estaria acompanhado de outro homem, atirou. Os dois delegados também. A polícia investiga, no entanto, se o suspeito tem porte de arma ou outras passagens pela polícia.

Lotados no Rio de Janeiro, Soares era delegado-chefe da Polícia Federal em Angra dos Reis e Escobar atuava em Niterói . Os dois estavam em Santa Catarina participando de um curso. Em nota, a Polícia Federal lamentou as mortes.

“A Polícia Federal lamenta a morte de dois delegados, ocorrida na madrugada de hoje (31/05) em Florianópolis/SC. Os dois atuavam em Angra dos Reis e Niterói, respectivamente, e estavam na cidade participando de uma capacitação interna. O falecimento dos policiais decorreu de uma troca de tiros em um estabelecimento na capital catarinense. Neste momento de imensa tristeza, a Polícia Federal expressa suas condolências e solidariedade aos familiares e amigos enlutados. Sobre informações que relacionam um dos policiais mortos à investigação do acidente aéreo que vitimou o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, a PF esclarece que o inquérito que apura o caso encontra-se em Brasília/DF, presidido por outro delegado, e apenas foi registrado em Angra dos Reis, local do fato.”