Polícia Militar desocupa pacificamente conjunto habitacional no Rio

desoculpaA Polícia Militar (PM) e representantes da prefeitura do Rio garantiram hoje (19) a retirada de 200 pessoas que ainda se encontravam no condomínio Residencial Guadalupe, do programa Minha Casa, Minha Vida, no bairro de Guadalupe, na zona norte do Rio. A desocupação total do conjunto habitacional de 11 blocos ocorreu de forma pacífica e conforme determinação da Justiça. Policiais e servidores municipais tiveram apoio de equipes do Corpo de Bombeiros, Conselho Tutelar e da Secretaria de Assistência Social do município do Rio de Janeiro.

Os ocupantes reclamaram que a prefeitura não ofereceu abrigo e atendimento psicológico às famílias. A polícia reforçou a segurança e permanecerá no local para garantir a entrada no conjunto das famílias sorteadas.

A maioria dos ocupantes do condomínio é moradora da favela Terra Prometida, com barracos de madeira, esgoto a céu aberto e separada do Residencial Guadalupe apenas por um muro. Manicure e mãe de três filhos, Chalana Pereira, 29 anos, disse que a invasão ocorreu na manhã do último dia 9 e que participou porque vive em condições desumanas.

“Moramos em um vilarejo, em barraquinhos de madeira, sem coleta de lixo e saneamento básico. Se não colocamos nossos filhos na escola, somos ameaçados de prisão. Acho que deveriam ser presas as pessoas que colocam a gente em uma condição dessa. Não estamos aqui porque queremos, mas por necessidade. Não questionamos a desocupação ou a reintegração de posse. Só queremos ser amparados”, ressaltou Chalana.

Para ocupantes do conjunto habitacional, o tenente-coronel Luís Carlos Leal, comandante do 41º Batalhão da PM, em Irajá, na zona norte do Rio, é o principal apoio das famílias. “A polícia informou que o oficial de justiça pediria a desocupação e nós aceitamos. Pedimos para outros moradores respeitarem. Eram caminhões, ambulâncias e bombeiros. O comandante disse que viria e veio. A prefeitura, o prefeito e o governador não se manifestaram. Apenas o comandante nos apoia e nos respeita como cidadãos de bem”, relatou Celi Santana, 41 anos.

Na ação de desocupação, a PM utilizou policiais do 41º BPM, Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e Batalhão de Choque (BPChoque). Quatro carros blindados permaneceram no condomínio, enquanto outros veículos da corporação patrulhavam a comunidade. De acordo com o tenente-coronel Cláudio Costa, a PM reforçará o policiamento na parte externa do condomínio, mas a segurança interna do Residencial Guadalupe é responsabilidade da construtora.

Costa disse, ainda, que, às 5h30, o Bope iniciou um cerco às comunidades do Gogó da Ema, Rato Molhado e entorno. Segundo ele, a iniciativa é para garantir o trabalho das pessoas envolvidas na ação. “Estamos recebendo imagens em tempo real de uma aeronave do Grupamento Aeromóvel. A desocupação é coordenada e acompanhada por todo comando da PM”, observou.

Em contato com a assessoria do prefeito Eduardo Paes, a Agência Brasil foi informada que o apoio da prefeitura é estabelecido pela Justiça, que determinou orientação às famílias e explicações relativas às inscrições em projetos habitacionais oferecidos pelo município, como o programa Minha Casa, Minha Vida. Conforme a prefeitura, os interessados devem procurar um dos 47 postos dos centros de referências, se inscreverem e aguardar o sorteio.

A previsão da construtora BR4, responsável pelo empreendimento imobiliário, é entregar os imóveis aos inscritos no programa Minha Casa, Minha Vida até o fim do ano. Embora a BR4 ainda não tenha avaliado os danos causados pela invasão, a prefeitura mantém o prazo.