Motociclista que atropelou e matou comerciante se apresenta à Polícia

Motociclista que atropelou e matouNa tarde de sexta-feira, dia 25 de abril, foi visto o momento em que o acusado de atropelar e matar o comerciante Antônio Cândido Vieira, de 63 anos, no domingo de Páscoa (20/04), deixava a sede da 8ª Coorpin, logo após se apresentar em companhia de um advogado e prestar depoimento à Polícia Civil.

Ainda não foi informado os motivos, mas a polícia não divulgou o nome do motociclista, que teria 26 anos, acusado de atropelar e matar o idoso,  fugindo do local do atropelamento, sem prestar qualquer tipo de socorro à vítima. O acidente ocorreu na avenida Brasil e não na Getúlio Vargas como tinha sido informado anteriormente e após ser colhida pelo veículo que estaria em alta velocidade, a vítima chegou a ser socorrida ao Hospital Municipal de Teixeira de Freitas (HMTF), onde acabou não resistindo aos graves ferimentos e veio a óbito no dia seguinte.

O motociclista contou em seu depoimento, segundo o delegado Júlio Teles, responsável pela oitiva, que vinha do bairro Jardim Europa sentido ao Recanto do Lago, quando próximo a uma lombada foi surpreendido por Antônio que tentava atravessar a via.

Ainda segundo ele, o comerciante saiu por trás de uma árvore entrando em seu campo de visão somente quando já atravessava a avenida. A velocidade da motocicleta também estaria reduzida, uma vez que o motociclista diz que havia acabado de subir a ladeira do Jardim Europa e se aproximava do quebra-molas. Populares que presenciaram o acidente disseram que o idoso estava no acostamento, até pelo fato da avenida ser bastante movimentada, quando foi atropelado pela moto Honda Bros.

De acordo com o delegado Júlio César Telles, o motociclista será inicialmente indiciado por homicídio culposo, quando o condutor não tem intenção de matar. Sobre os motivos que o levaram a fugir do local do atropelamento, o motociclista deu uma versão duvidosa, quando afirmaram que após perceber que outras pessoas já tinham solicitado o socorro, resolveu deixar o local, pois ficou desesperado. De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito (CBT) o ato do condutor  fugir sem prestar assistência à vítima caracteriza omissão de socorro com pena prevista de detenção de um a seis meses, prestação de serviço à sociedade ou multa. (Por Ronildo Brito e Tyago Ramos)