Mobilização de enfrentamento ao trabalho infantil foi realizada em Teixeira

Mobilizacao-trabalho-infantil Na manhã desta sexta feira (05), no período das 9h30 ás 10h30, a equipe de Ações Estratégicas de Erradicação do Trabalho Infantil, realizou uma Blitz Educativa na praça da antiga Prefeitura. Esta ação acontece em parceria com os Programas Sociais, a Rede de Proteção da Criança e adolescente e a sociedade em geral. Com o tema “Qual Infância deve ser lembrada por seu filho?”, e ainda, com um subtema chamando a atenção de todos que por ali passaram, “verão com trabalho infantil não combinam”.

Mobilizacao-trabalho-infantil2Segundo Leidimar Felizarda Lima, coordenadora de proteção especial, no verão as crianças e adolescentes são mais explorados, eles acabam se expondo ao sol, prejudicando a saúde na vendagem de picolés, doces e salgados, e ainda indo para praias correndo o risco de morrer afogados. “Nossas crianças tem o direito de ter infância, de brincar, estudar, fazer cursos, para ser alguém melhor mais tarde, nós temos altos índices de professores que relatam que seus alunos dormem a maior parte do tempo em sala de aula, justamente porque estão indo trabalhar, por isso o nosso objetivo nesta ação, é mostrar que o lugar de crianças e adolescentes é na escola, e em outro período fazendo algum curso, para isso temos várias opções nos CRAS, Pronatec, no Centro de Inclusão Social do Colina Verde, entre outros”, explica.

Essa ação é justamente para alertar e pedir o apoio de toda a sociedade, para diminuir o índice de trabalho infantil escravo na cidade. O lugar de criança é na escola, mas esse direito está sendo violado por diversos motivos, tais como, a falta de qualidade e atrativos na educação, a falta de limites dos pais no que se refere à educação e valores familiares, a falta de opção de lazer, a péssima realidade da saúde em todo país e tantos outros que podem ser citados.

Diante deste quadro, essas crianças e adolescentes procuram algo mais fácil para garantir aquilo que ele tanto almeja, como roupas, sapatos, brinquedos e alimentos, sem falar também dos adultos que os exploram, com mão de obra barata e sendo escravizados ou até mesmo sendo usados no tráfico de drogas.

Todos nós podemos fazer a nossa parte, qualquer conhecimento de algum caso, podem ligar no 180, 100 ou para o Conselho Tutelar local através do (73) 3011.2736. Por: Mirian Ferreira/Liberdadenews