Meio Ambiente e Sustentabilidade

VII parte – É cada vez maisnotória a complexidade desse processo de transformação de um cenário urbano crescentemente não só ameaçado, mas, diretamente afetado por riscos e agravos socioambientais. Adotamos os argumentos de Beck (1994) relativos à confi guração de uma lógica da distribuição de riscos. Isso é plenamente compatível com os aspectos acima apresentados, uma vez que o desafi o que está colocado é o de criar as condições para, se não reduzir, pelo menos atenuar o preocupante quadro de riscos existente, que afeta desigualmente a população. Os riscos, segundo Beck, estão diretamente relacionados com a modernidade refl exiva e os ainda imprevisíveis efeitos da globalização. O tema da sustentabilidade confronta-se com o que Beck denomina de paradigma da sociedade de risco. Isso implica a necessidade da multiplicação de práticas sociais pautadas pela ampliação do direito à informação e da educação ambiental numa perspectiva integradora. Trata-se de potencializar iniciativas a partir do suposto de ter maior acesso à informação e transparência na gestão dos problemas. A noção de sustentabilidade implica uma necessária interrelação entre justiça social, qualidade de vida, equilíbrio ambiental e a necessidade de desenvolvimento com capacidade de suporte. A passagem da compreensão dos problemas ambientais de uma ótica mais centrada nas ciências naturais para um escopo mais abrangente sobre o tema inclui também o componente social, ampliando a compreensão da questão para uma dimensão socioambiental, não se esquecendo de levar em conta critérios culturais e determinações específi cas das políticas públicas. A preocupação com o tema do desenvolvimento sustentável introduz não apenas a sempre polêmica questão da capacidade de suporte, mas também os alcances e limites das ações destinadas a reduzir o impacto dos agravos no cotidiano urbano e as respostas pautadas por rupturas no modus operandi da omissão e conivência com as práticas autofágicas predominantes. Torna-se preciso incrementar os meios e o acesso à informação, assim como do papel indutivo do Poder Público, na oferta de conteúdos informacionais e educativos, emergem indagações quanto aos condicionantes de processos que ampliem as possibilidades de alteração do atual quadro de degradação socioambiental. Continua.