Jonathan Molar diz que pacientes relatam estar há 30 dias sem medicamentos na Unacon

O vereador Jonathan Molar falou na tarde desta segunda-feira (28), em entrevista, sobre os problemas que pacientes oncológicos vêm enfrentando há cerca de 30 dias, como a falta de medicamentos para o tratamento de quimioterapia.

De acordo o vereador, familiares de pacientes que usam o serviço da Unacon procuraram-no para que medidas fossem tomadas a fim de solucionar o problema.

Ele conta que, em uma visita a unidade, ficou constatada a falta de medicação para o tratamento quimioterápico. “Semana passada recebemos algumas informações de pacientes da Unacon, onde diziam que não estava sendo atendidos. Segundo eles, o tratamento havia sido interrompido por falta de medicamentos, fui até o centro de tratamento ver de perto, como vereador é o meu dever fiscalizar”, disse Molar.

Os medicamentos que são usados no tratamento são fornecidos pelo Governo Federal, e, segundo os usuários do serviço, não estão sendo repassados.

América Latina tem 500 mil pessoas com HIV sem saber, diz Opas

Jonathan Molar classificou como uma das situações mais tristes já presenciadas. “Acredito que quando estamos em uma gestão, precisamos, acima de tudo, gostar de pessoas e priorizar as áreas que devem ser priorizadas, ouvir os relatos desses pacientes me comoveu de forma muito profunda. Isso não tem nada a ver com politicagem ou populismo, estamos aqui como gestor e é o nosso dever fiscalizar e reivindicar os direitos da população”, esclareceu o edil.

Conforme relatos dos pacientes, funcionários do centro de tratamento estariam ligando para as pessoas e desmarcando as consultas, sem data prevista para atendimento. A justificativa seriam problemas com a licitação dos remédios quimioterápicos.

Jonathan Molar também falou das providências que estão sendo tomadas junto ao Ministério Público: “Estamos enviando à prefeitura pedidos de esclarecimentos e também pegando a documentação dos pacientes, que serão encaminhadas à comarca de nossa cidade, onde pediremos ao juiz uma liminar que obrigue a prefeitura entrar com a regularização dos medicamentos, ou, custear o tratamento no município mais próximo”.

O edil se diz indignado com a situação exposta: “Não se brinca com a saúde da população, está faltando planejamento, mas, também, sensibilidade da gestão. E nós estamos aqui para cobrar tudo o que foi dito no dia 1º pelo atual gestor”.
Por: Vanessa Silva