Jogadores do Brasil terão recuperação física personalizada na Copa

Os jogadores da seleção brasileira terão um programa de recuperação física, à base de reidratação, personalizada durante a Copa do Mundo.

Cada um dos 23 jogadores que for convocado por Luiz Felipe Scolari receberá bebida isotônica com base na sua necessidade individual de reposição de nutrientes e líquido.

Normalmente, em seleções ou clubes, há um programa de reidratação durante treinamentos e jogos, mas os atletas consomem o mesmo líquido e na mesma proporção.

Na seleção, cada jogador terá o seu líquido, no sabor escolhido, em kits (garrafas e produtos) personalizados e com diferentes níveis de necessidade de reposição (como carboidrato e sódio).

A Gatorade, empresa norte-americana patrocinadora da CBF desde 2010, realiza desde fevereiro de 2012 testes com jogadores convocados, primeiro por Mano Menezes, agora por Luiz Felipe Scolari, para entender o funcionamento da desidratação dos atletas.

Era observado a perda de líquido pelo suor de cada jogador, que segundo os especialistas da empresa é diferente de atleta para atleta.

“Um jogador pode iniciar o treino já desidratado, por exemplo, e precisa repor isso antes de começar a trabalhar. Identificamos que cada pessoa tem uma perda diferente e a ideia do projeto é que o jogador reponha exatamente o que precisa, sem beber mais do que necessita”, explicou Orlando Laitano, brasileiro que trabalha no laboratório da empresa no projeto apresentado nesta sexta-feira em Londres.

Participaram do evento o coordenador técnico do Brasil, Carlos Alberto Parreira, e o volante Paulinho, que foi usado como “cobaia” para mostrar como é feito o teste (que analisa o suor, a urina e a resistência do atleta).

“Com pouco tempo para treinar durante a Copa, focamos o trabalho na recuperação física dos atletas. E qualquer vantagem é importante”, disse Parreira.

O resultado, que já foi estado na Copa das Confederações e agora será usado na Copa do Mundo, é que cada jogador terá seu kit de reidratação, com um líquido isotônico específico que reponha água, sódio e carboidrato que o jogador tenha perdido.

“Há testes que indicam que um jogador bem hidratado durante um jogo tem melhor precisão, mais velocidade e menos desgaste”, disse Laitano.

A CBF enviou uma lista à empresa parceira dos jogadores “convocáveis” que precisam receber os kits. Os nomes não foram divulgados e há mais de 23, número que Felipão chamará em 7 de maio, no Rio. Os jogadores não são obrigados a aderir ao projeto, mas segundo Parreira todos toparam participar.

Eles terão uma garrafa nova, que no futuro a empresa pretende colocar à venda para o público em geral. O líquido que é misturado à água vem em capsulas, não em pó, e há um dispositivo que durante os treinos da seleção envia dados da ingestão do jogador daquele líquido (se está bebendo o recomendado, por exemplo).

Esses dados saem da garrafa, por meio de conexão de internet, direto para um computador da comissão técnica da seleção que recebe os dados dos atletas.

CONCORRÊNCIA

A Gatorade, que pertence à Pepsico, patrocina a seleção brasileira, mas a sua rival, a Powerade, da Coca-Cola, é o isotônico oficial da Copa do Mundo, parceira da Fifa.

Por isso que na véspera dos jogos no Mundial e durante as partidas a marca Gatorade não pode aparecer nas garrafas que os jogadores consomem.

“O líquido que vai dentro [das garrafas], quem decide é a CBF. Nós respeitamos acordos comerciais”, disse Tiago Pinto, diretor da Gatorade.

A CBF avalia com a Fifa a possibilidade de usar a marca de seus patrocinadores durante os treinamentos na Granja Comary, na preparação e até durante o Mundial. 

Paulinho demonstra parte do teste que é feito para conhecer a desidratação do jogador por partida
Paulinho demonstra parte do teste que é feito para conhecer a desidratação do jogador por partida