Introspectiva 2013

Luciano PiresVou repetir neste final de ano um texto publicado em 2011 no qual fiz algumas adaptações. É que gosto muito dele, que é atemporal e merece ser revisto.

Todo final de ano tem retrospectivas. Quem é que não gosta de rever aquelas cenas que nos tiraram o fôlego ao longo do ano que passou? Principalmente quando editadas em ritmo de filme de ação? Imagens fortes que brincam com nossas emoções.

Retrospectivas colocam molho em nosso rotineiro cotidiano e servem para lembrar como somos sortudos, afinal, com raras exceções, aquelas tragédias nunca acontecem conosco, não é? E às vezes também aparecem as perspectivas, aqueles exercícios que tentam antecipar o que vem pela frente. Todo ano é igual: Jair de Ogum e Mãe Dinah dizendo que vai morrer um artista e economistas apostando que a inflação será de xis por cento. E a gente adora!

Pois vou propor algo diferente: em vez de olhar para trás pra rever o que passou ou para frente pra antecipar o que vem por aí, proponho olhar pra dentro e fazer sua “Introspectiva 2013”. Pouca gente sabe direito o que é a introspecção. Costumamos dizer que um indivíduo introspectivo é aquele pouco social, que passa a maior parte do tempo às voltas com seus pensamentos, à margem da festa. Mas a introspecção é mais que isso. Envolve até mesmo a Filosofia. Sabe-se que Sócrates já utilizava a técnica da introspecção em seus estudos sobre os grandes enigmas da vida. O que me interessa neste final de ano é refletir sobre a introspecção como “o ato de olhar para dentro de si mesmo, para seus pensamentos, desejos e sentimentos, examinar como sua mente funciona, como toma decisões, como direciona seus atos.” A introspecção como um auto-exame para nos conhecer melhor e assim antecipar nossas reações e realizar escolhas melhores.

A introspecção envolve credos, desejos, dores e emoções. É um vasto campo de estudos da psicologia, coisa de quem é do ramo. Mas dá pra refletir sobre esse processo de auto-conhecimento que fará você se arrepender e se orgulhar de coisas que fez ou deixou de fazer.

O processo de introspecção ajuda a entender como sua mente funciona, deixando você mais apto a evitar armadilhas e principalmente, a mudar. Mas a coisa não é assim tão fácil. Temos a tendência de repetir padrões de conduta, cometendo sempre os mesmos erros. Sabe aquela amiga que vai pedir dinheiro emprestado outra vez? E você vai acabar emprestando? Ou seu chefe que vai te chamar para a reunião no final da tarde e vai te segurar por horas? E você vai? Pois é…

A Introspectiva 2013 colocará você na incômoda posição de ter que explicar – para si mesmo – a razão de não mudar. Esse exercício é incômodo, pois mentir para si mesmo não é confortável, ninguém gosta de ser confrontado com suas fraquezas. Preferimos o auto-engano, a continuidade confortável dos processos que podem não ser os melhores, mas são familiares.

Comece 2014 realizando uma introspectiva 2013. Olhando para o que aconteceu no mundo, no Brasil, em sua cidade, em sua família – mas refletindo sobre como você reagiu aos acontecimentos. Que atitudes tomou, o que aprendeu e o que é que vai fazer a respeito.

Mudar dói. Reconhecer fraquezas dói também. Mas a alternativa é deixar como está pra ver como é que fica.

Um jeito bem vagabundo de começar 2014, não é?

Feliz Ano Novo.

Luciano Pires