Greve dos Correios continua em 21 Estados e no DF

A greve dos trabalhadores dos Correios continua em 21 Estados, mais o Distrito Federal. Segundo a empresa, até o momento, a paralisação foi encerrada no Rio de Janeiro, Rondônia, Rio Grande do Norte, Amapá, Tocantins, na Região Metropolitana de São Paulo e em Bauru (SP).

“Desde o início da paralisação parcial, cerca de 15% dos grevistas retornaram ao trabalho”, dizia comunicado divulgado na terça-feira (1º) pelos Correios.

Segundo a estatal, 93,35% dos funcionários (116.191) estavam trabalhando normalmente na terça. Entre os empregados da área operacional (carteiros, atendentes e operadores de triagem e transbordo), o índice de trabalhadores presentes era de 92,12%. A empresa informou que irá efetuar o desconto dos dias parados dos trabalhadores que continuam em greve.

“A rede de atendimento está aberta em todo o Brasil e todos os serviços, inclusive, o Sedex e o Banco Postal, estão disponíveis – com exceção da postagem, entrega e coleta de encomendas com hora marcada nos locais com paralisação deflagrada. A maior parte dos serviços de hora marcada foi restabelecida em Mato Grosso do Sul e no Espírito Santo (para postagem e entrega dentro do próprio Estado)”, acrescentam os Correios.

O julgamento do dissídio no Tribunal Superior do Trabalho (TST) está marcado para a próxima terça-feira (8).

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) marcou para a quinta-feira (3) um ato público em frente à sede dos Correios, em Brasília. “O ato tem como objetivo responder à intransigência da empresa em atender às reivindicações dos trabalhadores”, afirma a federação em nota publicada em seu site. A entidade promete manter um acampamento na capital até, pelo menos, a próxima semana.

Paralisações começaram em meados de setembro

Embora algumas paralisações tenham começado no dia 12 de setembro, a greve geral aprovada pelos sindicatos associados à Fentect foi deflagrada oficialmente em todo o país no dia 17 de setembro.

Parte dos sindicatos aceitou a proposta de reajuste salarial de 8% oferecido pela empresa. Outros, porém, reivindicam 15% de aumento real, mais reposição da inflação entre agosto de 2012 e julho deste ano, reposição das perdas salariais desde o plano real, entrega de correspondências pela manhã em todo o país, entre outros pedidos.

Segundo os Correios, cerca de 40 mil trabalhadores irão receber nesta quinta-feira (3) as diferenças do reajuste de 8% referentes aos meses de agosto e setembro. “Eles representam mais de 30% do efetivo da empresa”, diz o comunicado.

A empresa afirma que as reivindicações da Fentect provocariam um impacto de R$ 31,4 bilhões, “quase o dobro da previsão de receita dos Correios para 2013 e o equivalente a 50 folhas mensais de pagamento da ECT”. Fonte: G1