Estudante encontrado morto usou droga e se afogou na USP, diz laudo

O estudante Victor Hugo Santos, 20, que teve o corpo encontrado na raia olímpica da USP no mês passado, morreu afogado após ter consumido um tipo de droga novo no Brasil: o 25B-NBOMe.

Essa é a conclusão do laudo do Instituto Médico-Legal de São Paulo, ao qual a Folha teve acesso, e que será utilizado pela polícia para tentar responder o que aconteceu com o rapaz.

Santos participava de uma festa no velódromo da USP na madrugada de sábado, 20 de setembro. Segundo seus amigos, ele desapareceu após ir buscar cerveja sozinho.

Relataram ainda que o rapaz havia tomado uma bebida alcoólica conhecida como “Amnésia” (vodca, soda e suco em pó), oferecida pelos organizadores do evento.

O corpo só foi achado três dias depois, na terça. O laudo diz que a morte ocorreu entre o sábado e o domingo.jovem droga

De acordo com o documento, assinado por três peritos, não havia sinal de álcool no corpo de Santos. Por outro lado, os exames detectaram a presença de 25B-NBOMe.

A substância encontrada é muito similar ao LSD, uma droga sintética que causa alucinações nos usuários.

Havia uma concentração de 1 nanograma por mililitro de sangue, o que provocou intoxicação aguda com reflexos no organismo do jovem.

“A este quadro de intoxicação, o qual já comprometia a vítima, somou-se […] o afogamento, que se constituiu na causa terminal da morte”, afirma o laudo.

Procurado, Ademar Gomes, advogado da família do estudante, disse que seria preciso esperar um pronunciamento oficial do resultado para poder comentá-lo, já que o inquérito corre em segredo.

Os pais do jovem disseram que o filho não tinha costume de usar drogas.

Segundo especialistas, drogas do tipo NBOMe são recentes no Brasil e se confundem com o LSD, mais conhecido.

Em novembro de 2013 a PM fez uma grande apreensão do que achava ser LSD (1.988 micropontos em selos) na zona sul de São Paulo. Mas a perícia apontou que se tratava de 25I-NBOMe (da mesma família do 25B-NBOMe, consumido por Santos).

“Sabemos que é uma droga potente”, disse o promotor Cássio Roberto Conserino, que move uma ação por tráfico envolvendo o NBOMe.

OVERDOSE

Integrantes da cúpula do governo ouvidos pela Folha na semana passada afirmavam que o laudo do IML deveria apontar como causa da morte uma overdose.

O relatório final, porém, afirma que “na literatura consultada [sobre o 25B-NBOMe] não foram encontradas referências sobre a dose letal em humanos ou animais”.

Com a conclusão de afogamento, a polícia precisa esclarecer agora como o estudante chegou até a água.

Uma hipótese é que o jovem, alucinado, tenha caído sozinho no local.

Para usuários de alucinógenos, ouvidos sob condição de anonimato, o comportamento de ir sozinho à raia no meio de uma festa seria atípico, até por causa da dificuldade para pular a cerca do local.

O laudo não deixa claro como foi a morte. Anteriormente, investigadores haviam dito que o corpo não tinha sinais de afogamento. Fonte: Folha