Entenda as reações das crianças diante da morte

reacao-crianca-morteAs crianças têm respostas diferentes em relação ao processo de falecimento e à morte, de acordo com suas idades e experiências interiores. Não existem estágios definidos, nenhuma sequência correta, nenhum tempo determinado para a duração do sofrimento. Portanto, não tente pensar a respeito do assunto em termos de “o modo adequado” de sofrer.

A idade da criança afeta as maneiras pelas quais ela provavelmente irá expressar seus sentimentos e o tipo de apoio que irá necessitar dos adultos que a circundam. É importante para as crianças não se sentirem sob pressão para demonstrar sinais mais convencionais de sofrimento, e que lhes seja permitido sofrer de sua própria maneira e no seu próprio tempo.

Os pais precisam estar preparados para ver as crianças menores alternando estados de sofrimento de uma maneira tal que pode transtorná-los e ser mesmo um choque para os adultos entristecidos.

•Elas podem alternar as lágrimas e a tristeza sentida em um momento com a necessidade de alimento e guloseimas em outro – algo muito difícil de um adulto entender ou empatizar.

•Elas podem solicitar coisas de formas que um adulto pode considerar insensíveis – “Já que a vovó morreu, posso ficar com o seu colar azul?”; “Posso dormir no quarto do João, já que ele morreu?”

É de ajuda conhecermos algumas reações típicas que podem ser observadas nas crianças:

Crianças pequenas e bebês

Quando alguém querido falece e temos uma criança com menos de dois anos passando por essa experiência,ela não terá vocabulário suficiente para expressar sua perda. No entanto, mesmo crianças muito pequenas e bebês estão cientes de que pessoas que lhes eram caras se foram e experimentam a nítida sensação de que elas não mais voltarão, de que a morte é permanente.

Para as crianças muito pequenas, que ainda não falam, a morte pode ser descrita como um receio ou apreensão sem definição. Você sabe como uma criança que se sente insegura pode chorar inconsolavelmente quando um dos pais sai do quarto e a deixa lá por um período mais longo do que ela pode suportar. Se o ser amado não retorna, as crianças pequenas podem acabar por sentir temor por sua própria sobrevivência.

Geralmente os adultos podem consolar as crianças quando eles próprios não estão por demais tristes. Mesmo os bebês serão afetados pelo estado emocional de seus pais. Uma morte na família pode perturbar os cuidados com as crianças e daí surgirem efeitos  colaterais. Tente minimizar as perturbações e mudanças. Com o tempo, com uma atmosfera estável e amorosa ao redor, a perda pode até certo ponto ser reparada.

É importante que a criança e aqueles que cuidam dela mantenham vivas as lembranças da pessoa que se foi. Ao crescer, a criança terá muitas oportunidades para entender melhor o que sentiu antes de que pudesse se expressar com palavras.

Crianças entre 2 e 5 anos

As crianças com idade entre dois e cinco anos têm uma vaga noção de que a morte é permanente e que a pessoa falecida não voltará mais. É difícil para elas reconhecer isto na sua totalidade, pois ameaça a segurança de seu mundo familiar, tão bem estruturado. No fundo, qualquer separação por tempo prolongado demais deixa um sentimento de receio pela própria sobrevivência.

Durante esses anos, as crianças construirão diversas ligações muito importantes com adultos e outras crianças. Um desenvolvimento normal lhes dará uma imagem razoavelmente segura daqueles a quem ama – um tipo de “mamãe e papai em sua mente” -, que lhes fornecerá consolo durante as separações.

Se a perda não é de um parente próximo, elas podem ficar curiosas e serem afetadas pelo evento, mas, provavelmente, conseguirão absorver tudo em suas brincadeiras e atividades diárias. Se, tragicamente, se tratar do falecimento de alguém importante para elas, passarão por um processo de sofrimento similar ao dos adultos.

Crianças de 6 a 12 anos

As crianças nessa faixa etária começam a desenvolver uma compreensão mais madura da vida e da morte, a se conscientizar de que um dia todos morrem, e que isso também vai ocorrer com elas. Elas querem saber mais a respeito da real causa da morte – “Por que câncer?”, “Por que suicídio?”.

Elas podem apelar para a negação, tornando-se incapazes de demonstrar seus sentimentos. Caso dêem a impressão de estarem estagnadas, sem capacidade de expressar a dor, talvez precisem da ajuda de um profissional – alguém que possa aceitar a sua negação -, principalmente se os adultos importantes em sua vida também estiverem sofrendo.

* Para saber mais sobre o assunto, acesse o folheto “Perdas” do projeto Compreendendo a Infância do Instituto de Psicologia da Usp.