Desempenho da indústria da construção piora em novembro segundo CNI

industria-da-construcaoO desaquecimento da indústria da construção ampliou-se em novembro, revela levantamento divulgado hoje (17) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo a Sondagem Industrial da Construção, a utilização da capacidade instalada e o número de empregados diminuíram no mês passado, enquanto os indicadores de nível de atividade mantiveram o ritmo de queda.

De acordo com a pesquisa, a evolução do nível de atividade passou de 42,7 pontos em outubro para 43 pontos em novembro, indicando queda disseminada do ritmo de produção no setor. O nível de atividade em relação ao usual, que compara a atividade em novembro com o esperado para o mês, passou de 40,2 para 40,5 pontos, mostrando que o nível ainda está distante do usual. Os indicadores variam de 0 a 100 pontos. Abaixo de 50 pontos indicam desempenho negativo.

As pioras ocorreram nos índices de número de empregados e de capacidade instalada. O emprego da indústria da construção caiu de 43 pontos em outubro para 41,5 pontos em novembro, mostrando intensificação no ritmo de queda. A utilização da capacidade instalada diminuiu de 67% para 66%, no menor nível da série mensal iniciada em janeiro de 2012.

Apesar da piora do desempenho em novembro, as expectativas dos empresários da indústria da construção para os próximos meses pararam de cair, apesar de o pessimismo continuar. A expectativa do nível de atividade oscilou de 47,7 pontos em outubro para 47,6 pontos no mês passado. O índice de empresários que pretendem abrir novos empreendimentos e serviços passou de 46,4 para 46,7 pontos.

O indicador de empresários que pretendem aumentar a compra de matérias-primas subiu levemente, de 46,2 para 46,6 pontos. O índice de empregadores da indústria da construção que pretendem contratar mais foi o único a apontar diminuição do pessimismo, aumentando de 46 para 46,9 pontos. Mesmo assim, todos os indicadores permanecem abaixo do nível de 50 pontos, que divide a linha de pessimismo e otimismo.

Feita entre 1º e 10 de dezembro, a pesquisa ouviu 572 empresas da indústria da construção em todo o país. Desse total, 187 são pequenas, 259 são médias, e 126 são de grande porte. Mais cedo, a CNI havia divulgado a Sondagem Industrial, que apontou recuo da produção da indústria em geral em novembro.