A defesa da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, pediu nesta segunda-feira (5) ao juiz federal Sérgio Moro a absolvição dela pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. As informações são do jornal O Globo.

Os advogados argumentam que o Ministério Público Federal em Curitiba não conseguiu provar que gastos feitos em 2014 tenham sido financiados com suposto dinheiro de propina pago entre outubro de 2008 e março de 2009 pela construtora Andrade Gutierrez.

“Sem o uso de chips ou cédulas marcadas – modernidades investigativas – não há como cravar”, diz o texto. A defesa usa ainda argumento utilizado para absolver a jornalista Cláudia Cruz, esposa do ex-deputado Eduardo Cunha, dizendo que gastos com despesas próprias não é ato de lavagem de dinheiro.

O valor de R$ 464 mil em 75 meses, mencionado na denúncia do MPF, não passa de R$ 6,1 mil por mês. O montante não levantaria suspeitas nem provocaria uma “cegueira deliberada”, afirma a defesa.