O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta terça-feira (4) adiar indefinidamente o julgamento da chapa Dilma-Temer. Segundo o Palácio do Planalto, a decisão saiu melhor do que todas as previsões. O governo avaliou positivamente o adiamento pois o ministro Herman Benjamin sequer leu o seu relatório nesta terça, que exporia os crimes eleitorais cometidos pela chapa e poderia fragilizar o governo.

Além disso, como destaca O Globo, nenhum dos dois ministros com mandatos prestes a se encerrar – Henrique Neves e Luciana Lóssio – tiveram margem para antecipar seus votos.

O palácio avaliou que a pressão social contra o governo e sobre o TSE aumentaria de forma imprevisível, caso um ou mais votos tivessem sido dados. Esse desconforto poderia travar as ações de Temer e as votações de reformas impopulares.

Nesta terça (4), Temer afirmou que quanto antes acabar o julgamento do TSE melhor, embora sua defesa ter trabalhado pela procrastinação da ação. No entanto, a avaliação do governo acredita que a decisão de hoje abre caminho para que o julgamento só se conclua no ano que vem, como previam os interlocutores de Temer.