COI quer criar canal de TV de alcance mundial para mostrar esportes olímpicos

ginastica-olimpica-coi-quer-canal-mundialO Comitê Olímpico Internacional (COI) votou, em sessão plenária que acontece hoje e amanhã (9) em Mônaco, pela criação de um canal de televisão digital de alcance mundial, que funcione permanentemente, com sede na Suíça e uma sucursal em Madrid.

Com um orçamento de cerca de 450 milhões de euros para os próximos sete anos, o canal deverá transmitir durante 24 horas e estará disponível com tudo o que se relacione com olimpismo, mas não fará a transmissão direta dos Jogos Olímpicos.

O COI criou em 2001 a Olympic Broadcasting Services (OBS), um departamento que ficou encarregue da gestão e venda das imagens dos Jogos Olímpicos e que, a partir de agora, será responsável pela implantação do canal.

O grego Yiannis Exarchos, conselheiro delegado da OBS, explicou que o novo canal será apenas digital, mas admitiu que a “oferta poderá ser alargada a uma versão tradicional”.

Segundo Exarchos, o “canal será uma plataforma para a exposição contínua dos esportes olímpicos e permitirá reviver os melhores momentos dos Jogos Olímpicos, partilhando com o mundo os arquivos do COI”.

As políticas de conteúdos e gestão do canal serão definidos pelo COI, que admite a possibilidade de transmitir eventos de modalidades que não integram o programa olímpico.

A sessão plenária do COI aprovou já várias medidas que vão alterar de forma significativa as próximas edições dos Jogos Olímpicos. Entre as propostas estão a possibilidade de transferir competições para outras cidades, dentro ou fora do seu país, a eliminação do número limite de 28 esportes nos Jogos Olímpicos de verão e medidas para que os principais atletas de cada modalidade possam participar das Olimpíadas.