Um teste que permite identificar medicamentos “potencialmente perigosos na gravidez”, contribuindo para a redução de má formações fetais, acaba de ser desenvolvido por pesquisadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra, em Portugal.

O novo teste “propõe uma alternativa aos atuais testes pré-natais que, além de serem realizados exclusivamente em animais, apresentam limitações quando testados em contexto clínico”, afirma a Universidade de Coimbra (UC).

O estudo foi publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

O teste irá permitir avaliar, de acordo com a UC, “a toxicidade dos medicamentos num sistema ‘humanizado’ e poderá contribuir para a redução de defeitos no desenvolvimento do sistema vascular do embrião”.

Numa primeira fase, a equipe de pesquisadores do CNC da UC “avaliou o impacto de 1.280 químicos, identificando dois particularmente perigosos”.