Caseiro que estuprou e matou menina em Trancoso está entre mortos em rebelião

O caseiro Luzinê de Araújo Santos, 30 anos, condenado pelo estupro e morte de uma menina de 3 anos em Trancoso, em 2008, está entre os seis presos mortos durante a rebelião ocorrida nesta segunda-feira (28/4) no Conjunto Penal de Eunápolis.

Luzinê estava preso desde 2009 no presídio de Teixeira de Freitas aguardando o julgamento. Em março, o juiz André Marcelo Strongenski sentenciou o caseiro a cumprir 24 anos de cadeia pelo crime de homicídio, 12 anos por estupro de vulnerável e atentado violento ao pudor, e mais um ano e seis meses pelo crime de ocultação de cadáver – totalizando 37 anos e meio. Após a condenação, Luzinê foi encaminhado para o presídio de Eunápolis.

Cloé Muratori Paroli
A menina passava férias com a família quando o crime ocorreu. (Foto: Arquivo familiar)

O crime aconteceu no dia 4 de dezembro de 2008, em Trancoso, no município de Porto Seguro. Segundo informações levantadas pelo jornal “Correio da Bahia”, Luzinê trabalhava como caseiro na residência da menina Cloé Muratori Paroli, 3 anos, filha de Karl Joseph Paroli, 31, neozelandês, nativo de Napier, na Nova Zelândia, e da paulista Luciana de Vasconcelos Macedo Muratori, 33, que passavam as férias em uma casa de praia.

Luzinê teria violentado sexualmente e matado a menina. Quando foi preso, ele chegou a confessar o fato, dizendo que quando cometeu o crime estava “tomado pelo diabo”. Fonte: Ronildo Brito/TN