Após ‘lista de Janot’ PMDB e PSDB tetam estratégia para reduzir crise

Políticos das duas legendas apareceram nas delações da Odebrecht e devem ser investigados após procurador-geral solicitar abertura de inquéritos ao STF

Com a expectativa de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresente, nesta segunda-feira (13), cerca de 80 pedidos de abertura de inquérito ao Supremo Tribunal Federal, a fim de investigar políticos citados nas delações da Odebrecht, deputados e senadores do PMDB e PSDB já traçam estratégias para diminuir os danos. Isso porque vários nomes dos partidos apareceram durante os depoimentos de ex-executivos da empreiteira.

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, as duas legendas devem se defender alegando que os ilícitos cometidos pelos nomes do partido se referem “apenas” ao caixa dois. Além disso, pretendem reforçar que somente o PT, até agora, “tem o CNPJ em apuração criminal”.

Apesar da tática, todos acreditam que essa nova lista e a provável abertura de dezenas de inquérito vão favorecer ao ex-presidente Lula, no sentido em que demonstra que boa parte do Congresso Nacional está envolvida em casos de corrupção, e não apenas o petista.

Segundo informações de bastidores, o próprio Lula deve se beneficiar com a “lista de Janot”, já que, a partir dela, pode rebater qualquer ação mais dura contra ele, com o discurso de que é alvo de perseguição por parte de Sergio Moro.

O pedido de abertura de inquérito feito pelo procurador-geral será recebido pelo relator da Lava Jato no Supremo, ministro Edson Fachin. Caberá a ele decidir se arquivará ou abrirá a investigação ou se desmembrará ou não a apuração, já que existem citados com e sem foro privilegiado, e ainda se declina a competência para outras instâncias.