“Alemão”: sobrinho de sua mulher é suspeito do homícidio

O quebra-cabeça está sendo montado pela equipe do delegado da Polícia Civil Sanney Simões para esclarecer o homicídio ocorrido no domingo, 20 de julho, por volta das 20h, no bairro Olaria, em Medeiros Neto. A vítima, o pedreiro Arlens Rodrigues Gomes, 41 anos, mais conhecido como “Alemão”, estava na sala quando foi alvejado na cabeça. Pelo menos dois disparos foram ouvidos por vizinhos. Uma equipe do Samu chegou a ser acionada, mas não havia nenhum sinal vital na vítima.alemão

Minutos depois do crime a Polícia Militar deteve Tácio Rocha Fabem, o “Tacinho”, 26 anos, que é sobrinho da mulher da vítima. Testemunhas contaram à polícia que viram ele usando jaqueta preta, saltando o muro da casa, onde o crime ocorreu, com um revólver na mão.

A esposa, a única pessoa que estava com a vítima dentro de casa, disse que segundos antes dos tiros ouviu o marido chamá-la e dizer: “é Tacinho que tá aqui”.

Com medo de também ser alvejada ela saltou a janela do quarto, onde assistia televisão, indo para a lateral da casa. Como a casa é toda murada ela pulou para um terreno baldio, de uma altura de cerca de quatro metros, mas, teve apenas ferimentos leves em uma das pernas.

Apesar das declarações das testemunhas, Tácio Rocha, que quando era adolescente matou um homem a tiros no bairro Olaria, nega ser o autor do homicídio.

Ele chegou a entrar na casa, onde o corpo estava, cerca de 15 minutos depois do crime. A Polícia Militar já estava no local, mas, até então, não havia recebido nenhuma informação de que ele seria o principal suspeito. Posteriormente, de posse de informações de testemunhas, minutos depois, entretanto, os policiais o detiveram em um bar próximo ao local do crime.

Há cerca de dois anos o filho da mulher da vítima, durante uma confusão, furou o olho do irmão do acusado com uma faca e esse fato pode ter sido a motivação para o homicídio ocorrido no último domingo. Depois desse episódio algumas desavenças e ameaças foram registradas na família, de acordo com informações de pessoas que não quiseram se identificar. Fonte: Edelvânio Pinheiro/Radar58.