Agroindústria de chocolate poderá atender 23 assentamentos no Sul e Baixo Sul

Paulo-JacksonUma agroindústria com capacidade para produzir 500 quilos de chocolate e quatro mil quilos de achocolatado em pó, ao dia, pode ser implantada no assentamento Paulo Jackson, no município Ibirapitanga, no território de identidade do Baixo Sul da Bahia. Trata-se de um investimento do Programa Terra Forte da ordem de R$ 6,7 milhões.

A iniciativa deve atender 990 famílias assentadas, produtoras de cacau, de 23 assentamentos, localizados em 13 municípios no Sul e Baixo Sul do estado. Em fevereiro, os agentes do Programa Terra Forte irão realizar um processo de análise qualitativa do projeto para, posteriormente, caso aprovado, a contratação do projeto seja assinada.

Para isso, a associação do assentamento já deu entrada na papelada para se tornar uma cooperativa. “A expectativa é de que em um ano, após o início das obras, a agroindústria esteja pronta”, explica o agrônomo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Julio César Campos, que foi um dos autores do projeto.
Campos conta que os recursos serão aplicados na construção da estrutura física da agroindústria, na aquisição de máquinas, equipamentos, móveis, utensílios e veículos. Além disso, o projeto prevê capacitação para os trabalhadores cooperados e, ainda, um ano de assistência técnica.
“A intenção é de que com uma assessoria técnica dirigida ocorra uma melhora na produtividade cacaueira e a ampliação de lavouras”, acrescenta o agrônomo.
Os assentamentos a serem contemplados pela agroindústria do chocolate do Paulo Jackson somam dois mil hectares de áreas plantadas com lavouras cacaueiras.

Terra Forte
O Programa Terra Forte é uma iniciativa conjunta do Governo Federal em parceria com o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e com a Fundação Banco do Brasil. Lançado em fevereiro de 2013, o programa tem como objetivo estimular a implantação e a modernização de agroindústrias em assentamentos da reforma agrária. Pauta Diária / Ascom